Turismo

Laguna e a terceira cidade mais antiga do Estado, ruas estreitas de paralelepípedos, 600 imóveis tombados, uma quinta portuguesa, largos e praças e a imponente e gigante Ponte Anita Garibaldi, primeira estaiada em curva do Brasil, a terra de Anita Garibaldi guarda registros de importantes acontecimentos da história do Brasil. Esse patrimônio, aliado as belezas naturais, com a pesca com auxílio do boto, enche os olhos dos visitantes, que encontrarão na cidade,as mais variadas formas de lazer, também recebemos a “visita” das conhecidas baleias francas, que poderão ser vistas a olho nu nas praias do Mar Grosso, Gi e Iró.
Uma verdadeira aula de história ao vivo se contempla ao visitar o Centro Histórico, a começar pelo Marco de Tordesilhas, monumento erguido para lembrar a assinatura do Tratado de Tordesilhas, delimitando a divisa territorial entre Portugal e Espanha, assinado em 1494, antes mesmo de o município ser colonizado, e que estabelecia uma linha imaginária 370 léguas a oeste do Arquipélago de Cabo Verde, sendo que as terras a leste desse meridiano pertenceriam a Portugal. O trecho de terra limitado pelo tratado se estendia de Belém do Pará, ao norte, até Laguna, ao sul.
No Museu Anita Garibaldi, onde, em 1839, foi proclamada a República Juliana, composto por um vasto acervo, destacando-se peças de alto valor arqueólogo encontradas nos sambaquis da região, assim como objetos pertencentes ao ilustre lagunense Jerônimo Francisco Coelho.
Nas proximidades encontra-se também a Igreja Matriz Santo Antônio dos Anjos, com altares construídos em estilo barroco e detalhes em ouro e tela de Victor Meirelles e o Museu Casa de Anita, espaço que abriga pertences da heroína Anita Garibaldi. Logo, que tal uma caminhada pelas mesmas ruas onde pisaram (e passaram muitas vezes) Anita e Giuseppe Garibaldi, Jerônimo Coelho (fundador da Imprensa e Maçonaria catarinenses), Pinto Bandeira, Souza França, Almirante Lamego, Pedro Raymundo e Ivaldo Roque, entre outras personalidades que marcaram Laguna e região.
Aos que quiserem estreitar seus laços com a cidade, a dica é beber da água da Fonte da Carioca. Reza a lenda que “quem bebe dessa água, sempre retorna a Laguna e seus amores”. Construída por escravos em 1863, a bica foi ampliada em 1906 e restaurada em 2010. A nascente, no alto do morro, é protegida e seus tanques, revestidos de mármore carrara, que deixa a água fresca, gelada e saborosa. Ainda ao lado do ponto turístico, é possível admirar a Casa Pinto D’Ulysséa (réplica de uma Quinta portuguesa), atual sede da Secretaria de Turismo e Lazer.
Numa breve para parada para o almoço, a pedida é saborear a gastronomia local, com uma vasta opção de restaurantes, que oferecem em seus cardápios vasta variedade de frutos do mar, como o camarão e a tainha.
Depois de descobrir os encantos do centro histórico, é hora de curtir o mar. Entre as praias mais famosa e próxima do Centro, está o Mar Grosso, que é contornada por uma avenida urbanizada, com restaurantes, além de point do surf, do windsurf e do standup. A grande atração nos Molhes da Barra fica por conta da interação entre botos e os pescadores, que contam com o auxílio do animal, responsável por conduzir os cardumes até a praia. No acesso feito por bote ou balsa, se chega às praias do Gravatá, Cardoso e Cigana, sossegadas e indicadas para a prática de esportes náuticos. Para apreciar o Farol de Santa Marta, basta seguir para a Praia Grande – extensa, como o nome diz – ou para a Prainha, uma enseada com boas ondas e vila de pescadores. Cartão-postal de Laguna, o instrumento da Marinha foi inaugurado em 1891 e, do alto de seus 29 metros de altura, descortina uma vista panorâmica.
Esperamos sua visita!